Compartilhar
Informação da revista
Vol. 34. Núm. 12.
Páginas 781-783 (Dezembro 2015)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 34. Núm. 12.
Páginas 781-783 (Dezembro 2015)
Imagem em Cardiologia
DOI: 10.1016/j.repc.2015.06.007
Open Access
Complicações de enfarte do miocárdio: ecocardiograma para diagnóstico diferencial de sopro cardíaco
Complications of myocardial infarction: Echocardiography for differential diagnosis of heart murmur
Visitas
3607
Inês Cruz
Autor para correspondência
inesmariarosariocruz@gmail.com

Autor para correspondência.
, Daniel Caldeira, Bruno Stuart, Carlos Cotrim, Isabel João, Hélder Pereira
Serviço de Cardiologia, Hospital Garcia de Orta, Almada, Portugal
Este item recebeu
3607
Visitas

Under a Creative Commons license
Informação do artigo
Texto Completo
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (4)
Mostrar maisMostrar menos
Texto Completo

Mulher de 74 anos, diabética tipo 2, admitida por sensação de mal‐estar e dispneia desde há uma semana. Na observação inicial colaborante salientavam‐se fervores subcrepitantes em ambos os campos pulmonares. O eletrocardiograma mostrava ondas Q e supradesnivelamento do segmento ST nas derivações precordiais, DII e DIII (Figura 1). Admitiu‐se o diagnóstico de enfarte anterior em fase subaguda em classe Killip III, motivo pelo qual realizou angiografia coronária e angioplastia da descendente anterior média com implante de stent. Para estabilização hemodinâmica foi colocado balão intra‐aórtico e iniciou perfusão de dobutamina (7ug/kg/min).

Figura 1.

Eletrocardiograma de 12 derivações: ritmo sinusal, ondas Q e supradesnivelamento do segmento ST nas derivações precordiais, DII e DIII.

(0,75MB).

Durante a observação na unidade coronária mantinha sensação de mal‐estar e de lipotimia, apresentava‐se mais hipotensa e oligúrica. Na auscultação cardíaca constatou--se sopro holosistólico grau III/VI no bordo esquerdo do esterno. O ecocardiograma mostrou acinesia dos segmentos apicais e hipercontratilidade compensatória dos basais, com função sistólica global do ventrículo esquerdo (VE) conservada; diagnosticou‐se comunicação interventricular apical não restritiva (Figura 2) e ainda a presença de fluxo turbulento na câmara de saída do VE, com velocidade superior a 4m/s e movimento sistólico anterior do folheto anterior da válvula mitral (SAM) (Figura 3). Perante esta obstrução na câmara de saída do VE associada a hipotensão, decidiu‐se suspender a perfusão de dobutamina e administrar propranolol endovenoso. Verificou‐se melhoria sintomática e subida dos valores tensionais; no ecocardiograma observou‐se fluxo menos turbulento e de menor velocidade, e melhoria do SAM (Figura 4). Foi possível assim estabilizar a doente e transferi‐la para centro cirúrgico. Infelizmente, a doente faleceu devido a complicações na segunda semana do período pós‐operatório.

Figura 2.

Ecocardiograma transtorácico a evidenciar fluxo turbulento apical (seta) devido à presença de rotura do septo interventricular (velocidades máximas registadas pelo Doppler contínuo inferiores a 3m/s).

AD: aurícula direita; AE: aurícula esquerda; VE: ventrículo esquerdo; VD: ventrículo direito.

(0,18MB).
Figura 3.

Ecocardiograma transtorácico a mostrar SAM da válvula mitral (A, seta) a contribuir, juntamente com a hipercontratilidade dos segmentos basais, para a obstrução dinâmica da câmara de saída do VE, que é evidenciada pela presença de fluxo turbulento na mesma (B, seta).

(0,31MB).
Figura 4.

Quantificação do gradiente dinâmico na câmara de saída do VE, antes (A) e após (B) a suspensão de dobutamina e administração de propranolol endovenoso (1+1mg): em A, observa‐se gradiente máximo superior a 64mmHg, com pressão arterial de 90/60mmHg; em B, o gradiente máximo diminuiu para 16mmHg, com subida concomitante da pressão arterial para 110/70mmHg.

(0,35MB).

Pretendemos salientar a importância da correta avaliação de possíveis complicações de enfarte do miocárdio, com recurso ao ecocardiograma, para assim definir a melhor atitude terapêutica: neste caso, evitar o uso de inotrópicos positivos e ponderar o uso de β‐bloqueantes endovenosos para diminuir a obstrução intraventricular.

Responsabilidades éticasProteção de pessoas e animais

Os autores declaram que para esta investigação não se realizaram experiências em seres humanos e/ou animais.

Confidencialidade dos dados

Os autores declaram que não aparecem dados de pacientes neste artigo.

Direito à privacidade e consentimento escrito

Os autores declaram que não aparecem dados de pacientes neste artigo.

Conflito de interesses

Os autores declaram não haver conflito de interesses.

Copyright © 2015. Sociedade Portuguesa de Cardiologia
Idiomas
Revista Portuguesa de Cardiologia

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos

en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.