Compartilhar
Informação da revista
Vol. 34. Núm. 12.
Páginas 753-770 (Dezembro 2015)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
25762
Vol. 34. Núm. 12.
Páginas 753-770 (Dezembro 2015)
Artigo de revisão
DOI: 10.1016/j.repc.2015.07.007
Open Access
Alterações eletrocardiográficas benignas e patológicas em atletas
Benign and pathological electrocardiographic changes in athletes
Visitas
25762
Marino Machadoa,
Autor para correspondência
marinojpmachado@gmail.com

Autor para correspondência.
, Manuel Vaz Silvab
a Faculdade de Medicina, Universidade do Porto, Porto, Portugal
b Serviço de Cardiologia/Departamento de Medicina, Faculdade de Medicina, Universidade do Porto, Porto, Portugal
Conteúdo relacionado
Rev Port Cardiol. 2016;35:711-310.1016/j.repc.2016.05.007
Ricardo C. Rodrigues, Gomes Serrão, Susana Gomes, Décio Pereira
Rev Port Cardiol. 2016;35:715-610.1016/j.repc.2016.02.004
Hélder Dores, Nuno Cardim
Este item recebeu
25762
Visitas

Under a Creative Commons license
Informação do artigo
Resume
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (9)
Mostrar maisMostrar menos
Tabelas (5)
Tabela 1. Incidência de morte súbita estratificada por população de atletas ou população geral e número de anos de estudo
Tabela 2. Protocolo de rastreio pré‐desportivo nos EUA
Tabela 3. Achados normais no ECG de atleta
Tabela 4. Critérios de classificação do ECG do atleta relacionadas com alterações patológicas e que requerem avaliação diagnóstica detalhada
Tabela 5. Recomendações para a prática desportiva de atletas com alterações cardiovasculares segundo a ACC – BC#36 e a ESC
Mostrar maisMostrar menos
Resumo

A morte súbita cardíaca é a principal causa de morte em atletas durante a prática desportiva. É um evento trágico, com grande impacto nos média, gerando discussão dentro da comunidade no intuito de perceber se tudo foi feito para o evitar. A prática regular de exercício físico causa uma remodelagem cardíaca, tanto a nível mecânico como elétrico, conhecida como «coração de atleta», que se repercute num eletrocardiograma considerado «anormal» quando comparado com o da população geral. Algumas destas alterações do eletrocardiograma são consideradas normais/fisiológicas em atletas, enquanto outras traduzem, efetivamente, doença cardíaca de base, com potencial de causar morte súbita cardíaca. Assim, urge definir quais os padrões eletrocardiográficos que «permitem» ou, por outro lado, «proíbem» a prática desportiva, diferenciando‐os em função do género, etnia e idade. Esta revisão pretende reunir a informação mais atual sobre as alterações eletrocardiográficas consideradas benignas ou patológicas encontradas tipicamente em atletas e analisar, de forma crítica, os critérios mais recentes para a classificação do eletrocardiograma nesta população (os Critérios de Seattle), comparando‐os com as guidelines anteriores e com os estudos mais recentes sobre o tema. É também objetivo desta revisão dar a conhecer a problemática da inclusão do eletrocardiograma no programa de rastreio pré‐desportivo, as perspetivas americana e europeia, e os dados mais recentes sobre a sensibilidade, especificidade e custo‐efetividade do uso do eletrocardiograma em atletas.

Palavras‐chave:
Morte súbita cardíaca
Atletas
Rastreio
Eletrocardiograma
Critérios de Seattle
Abstract

Sudden cardiac death is the leading cause of death in athletes during sport. It is a tragic event that generates significant media attention and discussion throughout society as to whether everything possible had been done to prevent it. Regular physical exercise causes cardiac remodeling at both the mechanical and electrical level, known as athlete's heart, resulting in an electrocardiogram (ECG) considered abnormal compared with the ECGs of the general population. Some of these electrocardiographic changes are considered normal or physiological in athletes, while others suggest underlying cardiac disease with the potential to cause sudden cardiac death. There is thus an urgent need to define the electrocardiographic patterns that allow or prohibit participation in sports, and to differentiate them in terms of gender, ethnicity and age. The purpose of this review is to present the latest data on the electrocardiographic changes considered benign or pathological that are typically found in athletes and to critically analyze the most recent criteria for classifying ECGs in this population (the Seattle criteria), comparing them with previous guidelines and with the latest studies on the subject. This article also examines the question of including ECGs in preparticipation screening programs, the US and European approaches to the subject, and the most up‐to‐date data on the sensitivity, specificity and cost‐effectiveness of the ECG in athletes.

Keywords:
Sudden cardiac death
Athletes
Screening
Electrocardiogram
Seattle criteria
Abreviaturas
AC

Artéria circunflexa

ACAC

Anomalias congénita das artérias coronárias

ACC‐36thBC

American College of Cardiology–36th Bethesda Conference

ACD

Artéria coronária direita

ACE

Artéria coronária esquerda

AHA

American Heart Association

AV

Auriculoventricular

BIRD

Bloqueio incompleto de ramo direito

BPM

Batimentos por minuto

CDI

Cardiodesfibrilhador implantável

DAVD

Displasia arritmogénica do ventrículo direito

ECG

Eletrocardiograma

ESC

European Society of Cardiology

EUA

Estados Unidos da América

FV

Fibrilhação Ventricular

HVE

Hipertrofia ventricular esquerda

MCD

Miocardiopatia dilatada

MCH

Miocardiopatia hipertrófica

MSC

Morte súbita cardíaca

MSI

Morte súbita inexplicável

SBr

Síndrome de Brugada

SQTC

Síndrome do QT curto

SQTL

Síndrome do QT longo

TVPC

Taquicardia ventricular polimórfica Catecolaminérgica

TV

Taquicardia Ventricular

VA

Via acessória

WPW

Wolff‐Parkinson‐White

Texto Completo
Introdução

A morte súbita de um atleta é um evento trágico com grande impacto nos média, gerando discussão dentro de toda a comunidade, no intuito de perceber se tudo foi feito para o evitar. Um atleta é definido como um indivíduo envolvido em atividade física regular, que participa em competições oficiais e que tem como objetivo atingir uma performance de excelência1. O exercício físico é uma das estratégias usadas com sucesso na prevenção primária e secundária de doenças cardiovasculares, e as guidelines europeias da European Society of Cardiology (ESC) de 2012 aconselham a um mínimo de 2,5‐5h/semana de exercício físico moderado, ou 1‐1,5h/semana de exercício vigoroso, realçando que os benefícios obtidos aumentam diretamente com o número de horas praticadas2. A morte súbita devido a causas cardíacas intrínsecas é a principal causa de morte (75‐85%)3,4 nos atletas durante a prática desportiva5. O risco de morte de causa cardiovascular ou de doença coronária isolada diminui significativamente em pessoas fisicamente ativas e em boa forma, sendo que, por outro lado, outros estudos provam que o risco de morte súbita aumenta em 2‐4,5 vezes durante a atividade física de alta intensidade1,6–8.

O objetivo principal desta revisão é reunir a informação mais atual sobre as alterações do eletrocardiograma (ECG) encontradas no atleta relacionadas com a remodelagem cardíaca, dita fisiológica, e as relacionadas com patologia cardíaca de base, que se associam a morte súbita de origem cardíaca.

Morte súbita cardíaca e rastreio por eletrocardiograma

A morte súbita cardíaca (MSC) é definida como morte de origem cardíaca não esperada, sem origem traumática ou violenta, que ocorre dentro de uma hora desde o início dos sintomas, num indivíduo que não tem uma condição cardiovascular previamente reconhecida que possa ser fatal. Este evento pode ter diferentes etiologias, classicamente divididas em alterações congénitas, quer da estrutura cardíaca quer alterações elétricas, mais prevalentes até aos 35 anos, e alterações adquiridas, mais comuns depois dos 35 anos1,3,6,9,10 (ver Figura 1). As principais causas de MSC, além de variarem conforme a idade do atleta, tendem também a variar conforme a região geográfica, devido a fatores tanto genéticos como ambientais (por exemplo, Estados Unidos da América [EUA] versus Itália – Figura 2). Nos EUA, a causa mais comum de MSC em indivíduos com menos de 35 anos é a miocardiopatia hipertrófica (MCH), seguida da anomalia congénita das artérias coronárias (ACAC)1,11,12. Pelo contrário, em Itália, a displasia arritmogénica do ventrículo direito (DAVD) representa a etiologia mais frequente13. Em atletas com mais de 35 anos, a principal causa de MSC é a doença aterosclerótica das artérias coronárias14.

Figura 1.

Distribuição das causas de morte súbita de causa cardiovascular de 1435 jovens atletas de competição (registo do Minneapolis Heart Institute Fundation: 1980‐2005).

(0,22MB).
MSC em atletas nos EUA e Itália. 2A: distribuição das causas de morte súbita de causa cardiovascular de 1435 jovens atletas de competição (registo do Minneapolis Heart Institute Fundation: 1980‐2005). 2B: estudo prospetivo de toda a população jovem da região de Veneto, em Itália (1979‐1999).

ACAC: anomalia congénita das artérias coronárias; DACO: doença das artérias coronárias obstrutiva; DAE intramiocárdica: descendente anterior intramiocárdica; DAVD: displasia arritmogénica do ventrículo direito; DSC: doenças do sistema de condução; EA: estenose aórtica; MCD: miocardiopatia dilatada; MCH: miocardiopatia hipertrófica; PVM: prolapso da válvula mitral; WPW: síndrome de Wolff‐Parkinson‐White.

'> Causas de <span class=MSC em atletas nos EUA e Itália. 2A: distribuição das causas de morte súbita de causa cardiovascular de 1435 jovens atletas de competição (registo do Minneapolis Heart Institute Fundation: 1980‐2005). 2B: estudo prospetivo de toda a população jovem da região de Veneto, em Itália (1979‐1999). ACAC: anomalia congénita das artérias coronárias; DACO: doença das artérias coronárias obstrutiva; DAE intramiocárdica: descendente anterior intramiocárdica; DAVD: displasia arritmogénica do ventrículo direito; DSC: doenças do sistema de condução; EA: estenose aórtica; MCD: miocardiopatia dilatada; MCH: miocardiopatia hipertrófica; PVM: prolapso da válvula mitral; WPW: síndrome de Wolff‐Parkinson‐White.' title='Causas de MSC em atletas nos EUA e Itália. 2A: distribuição das causas de morte súbita de causa cardiovascular de 1435 jovens atletas de competição (registo do Minneapolis Heart Institute Fundation: 1980‐2005). 2B: estudo prospetivo de toda a população jovem da região de Veneto, em Itália (1979‐1999). ACAC: anomalia congénita das artérias coronárias; DACO: doença das artérias coronárias obstrutiva; DAE intramiocárdica: descendente anterior intramiocárdica; DAVD: displasia arritmogénica do ventrículo direito; DSC: doenças do sistema de condução; EA: estenose aórtica; MCD: miocardiopatia dilatada; MCH: miocardiopatia hipertrófica; PVM: prolapso da válvula mitral; WPW: síndrome de Wolff‐Parkinson‐White.'/>

Figura 2.

Causas de MSC em atletas nos EUA e Itália. 2A: distribuição das causas de morte súbita de causa cardiovascular de 1435 jovens atletas de competição (registo do Minneapolis Heart Institute Fundation: 1980‐2005). 2B: estudo prospetivo de toda a população jovem da região de Veneto, em Itália (1979‐1999).

ACAC: anomalia congénita das artérias coronárias; DACO: doença das artérias coronárias obstrutiva; DAE intramiocárdica: descendente anterior intramiocárdica; DAVD: displasia arritmogénica do ventrículo direito; DSC: doenças do sistema de condução; EA: estenose aórtica; MCD: miocardiopatia dilatada; MCH: miocardiopatia hipertrófica; PVM: prolapso da válvula mitral; WPW: síndrome de Wolff‐Parkinson‐White.

(0,22MB).

Atualmente, não existe uma estratégia de consenso para combater a MSC e isso deve‐se, essencialmente, à falta de estudos sobre a verdadeira incidência da MSC, tanto na população em geral como em atletas, sobre o peso de cada uma das etiologias deste evento, e também à falta de dados consistentes sobre a sensibilidade e especificidade do ECG na deteção de casos patológicos. Todas estas condicionantes, aliadas ao facto de, indubitavelmente, ser um evento raro, tornam a implementação do ECG mais difícil de conseguir, já que, por definição, um rastreio requer uma avaliação positiva sobre o seu custo‐efetividade.

Relativamente à incidência da MSC, os estudos existentes são díspares no número apontado, como pode ser visto na Tabela 1. Isso deve‐se, maioritariamente, aos diferentes métodos de aquisição de informação sobre as mortes que, em alguns casos, se limita a casos relatados pelos média ou seguradoras, enquanto noutros se consulta o registo oficial governamental destes eventos3,15. Um estudo observacional prospetivo italiano, em que o ECG era usado no rastreio pré‐desportivo e os casos de MSC eram de registo obrigatório, indicou uma incidência de 3,6:100000 atletas, resultados que estudos norte‐americanos mais recentes têm vindo a confirmar3,16–18.

Tabela 1.

Incidência de morte súbita estratificada por população de atletas ou população geral e número de anos de estudo

País  1.° autor  População  Anos  Incidência por 100000 pessoas‐anos 
Itália  Corrado  Atletas  1980‐1981  3,6 
Itália  Corrado  Atletas  2007‐2008  0,4 
Israel  Steinvil  Atletas  1985‐1997  2,54 
Israel  Steinvil  Atletas  1998‐2009  2,66 
EUA  VanCamp  Atletas  1983‐1993  0,33 
EUA  Maron  Atletas  1985‐2006  0,44 
Dinamarca  Holst  Atletas  2000‐2006  1,21 
Dinamarca  Holst  Crianças  2000‐2006  3,76 
Japão  Tanaka  Crianças  1989‐1997  1,32 
EUA  Eckart  Recrutas militares  1997‐2001  13 
EUA e Canadá  Atikins  Crianças (idades 1‐11)  2005‐2007  3,73 
EUA e Canadá  Atkins  Crianças idades (12‐19)  2005‐2007  6,37 

Adaptado de Link e Estes71.

Com os resultados deste estudo, a Itália passou a incluir o ECG no rastreio pré‐desportivo, além do exame físico e história clínica, obtendo uma diminuição na ordem dos 89% do número de casos de MSC, entre 1979‐20049,18,19. Nos EUA, por recomendação da American Heart Association (AHA), o protocolo de rastreio20 (Tabela 2) inclui apenas a história clínica e o exame físico, alegando o alto número de falsos positivos e a fraca relação custo‐efetividade do ECG como justificações. Por outro lado, a ESC, embora não recomende a obrigatoriedade do uso do ECG, aconselha--o em todos os atletas.

Tabela 2.

Protocolo de rastreio pré‐desportivo nos EUA

1) História pessoal 
Dor/desconforto torácico durante o esforço 
Síncope/pré‐síncope inexplicável 
Fadiga/dispneia associada ao exercício, excessiva e inexplicável 
Sopro cardíaco previamente conhecido 
Pressão arterial sistólica elevada 
 
2) História familiar 
Morte prematura (súbita e inesperada) antes dos 50 anos por causa cardíaca 
Invalidez devido a doença cardíaca em parentes próximos com menos de 50 anos 
Conhecimento específico ou certas condições familiares: MCH ou miocardiopatia dilatada, SQTL ou outras canalopatias, síndrome de Marfan, arritmia clinicamente importante 
 
3) Exame físico 
Sopro cardíaco 
Pulsos femorais para excluir coartação aórtica 
Stigmata física de síndrome de Marfan 
Medição da pressão da artéria braquial (sentado) 

MCH: miocardiopatia hipertrófica; SQTL: síndrome do QT longo.

Adaptado de Maron et al.17.

Cerca de 60‐80% dos atletas apresentam alterações em relação ao ECG considerado normal5,21 em relação com o chamado «coração de atleta», que ocorre devido à remodelagem cardíaca, tanto a nível elétrico como estrutural, originando assim o elevado número de falsos positivos encontrados em alguns estudos. Este fenómeno ocorre na sequência da adaptação fisiológica do sistema nervoso autónomo (aumento do tonús vagal e diminuição do tónus simpático) e das dimensões das cavidades cardíacas, incluindo o aumento da espessura das paredes e do tamanho da cavidade do ventrículo esquerdo, que se podem refletir no ECG e na ecocardiografia. Esta remodelagem permite um aumento do enchimento do ventrículo esquerdo em diástole e, assim, do volume sistólico e do débito cardíaco, mesmo em circunstâncias de frequências cardíacas mais rápidas1,21. A Tabela 3 sumariza as alterações do ECG consideradas normais em atletas10. Vários estudos demonstraram ainda que existe grande variabilidade de padrões de ECG entre géneros, idades, etnias e também tipo de desporto praticado4,21–30.

Tabela 3.

Achados normais no ECG de atleta

1) Bradicardia sinusal (≥30bpm)2) Arritmia sinusal3) Ritmo ectópico auricular4) Ritmo de escape juncional5) Bloqueio AV de 1.° grau (intervalo PR >200ms)6) Bloqueio AV de 2.° grau Mobitz tipo I (Wenckebach)7) Bloqueio incompleto de ramo direito8) Critério de voltagem isolado de HVEExceto: critério de voltagem para HVE que ocorre com qualquer outro critério para HVE, como aumento da aurícula esquerda, desvio esquerdo do eixo, depressão do segmento ST, inversão da onda T ou ondas Q patológicas9) Repolarização precoce (elevação ST, elevação do ponto J, ondas J, porção terminal do QRS prolongada10) Elevação convexa («em cúpula») do segmento ST combinado com inversão da onda T nas derivações V1‐V4 em atletas negros/africanos. 

Estas alterações do ECG relacionadas com o treino são consideradas adaptações fisiológicas ao exercício regular, consideradas variantes normais em atletas e não requerem mais investigação em atletas assintomáticos.

Adaptado de Drezner et al.10.

As guidelines propostas têm em consideração o viés relacionado com o «coração de atleta», de forma a aumentar a fiabilidade do rastreio. A atualização das guidelines europeias em 201031 (versus 200532) resultou numa diminuição de cerca de 43‐59% no número de ECG anormais encontrados nos rastreios33,34, diminuindo assim também o número de falsos positivos (de 16‐17% para cerca de 10%)34,35. No final de 2012, foram apresentados os Critérios de Seattle10 que, para além de atualizarem os critérios de classificação de um ECG anormal em atletas, também dão ênfase a algumas correntes, que alegam a falta de eficácia na interpretação do ECG pelos profissionais de saúde como um entrave ao seu uso no rastreio. O investimento na educação médica e o uso de uma ferramenta de auxílio à interpretação do ECG, com os critérios padronizados para desportistas, são apontados como possíveis soluções para melhorar este campo ainda tão deficitário. Drezner et al. compararam a adequação da interpretação do ECG efetuada por especialistas (n=16) e internos de cuidados de saúde primários (n=22), especialistas em medicina desportiva (n=12) e ainda cardiologistas (n=10), com e sem o uso de uma ferramenta de auxílio (baseada no consenso da ESC para a interpretação de ECG de 12 derivações em atletas) e obtiveram uma melhoria da sensibilidade de 70 para 91% e da especificidade de 89 para 94%, resultado transversal às diversas especialidades e experiências médicas36.

Padrões eletrocardiográficos

Nos indivíduos que praticam exercício físico intenso e regular existem alterações no ECG que resultam da remodelagem cardíaca fisiológica (não necessitando de investigação diagnóstica) e alterações que, quando presentes, aumentam a probabilidade de MSC (necessitando de uma abordagem diagnóstica aprofundada), resultando, na maioria das vezes, em desqualificação para a prática de desportos de competição e numa terapêutica que previna um evento fatal. Segundo a ESC estas alterações classificam‐se em Grupo 1 ou Grupo 2, dependendo se são ou não relacionadas com a prática regular do exercício físico31.

Alterações «benignas» do eletrocardiograma relacionadas com a prática regular do exercício físico

Nas Figura 3 (1‐10) e 4 e na Tabela 3, estão presentes os padrões do ECG associados ao designado «coração de atleta». A bradicardia sinusal é definida como uma frequência cardíaca <60bpm e está presente em 80% do atletas altamente treinados, sendo que frequências cardíacas >30 bpm são considerados normais neste tipo de atletas. A arritmia sinusal também é bastante comum (>50% dos atletas), principalmente em atletas jovens21. Tradicionalmente, os fenómenos de repolarização precoce apenas incluíam a elevação do segmento ST>1mV, mas as novas definições passaram a incluir também ondas J e porção terminal do QRS prolongada (Figura 4), observadas principalmente nas derivações precordiais, estando presentes em 45% dos atletas caucasianos e 63‐91% de atletas negros de descendência afro‐caribenha. Dos atletas negros, 13‐25% apresentam uma elevação do ponto J, com um segmento ST convexo nas derivações V1‐V4, seguida de inversão da onda T nas mesmas derivações, o que não requer aprofundamento do diagnóstico nestas etnias quando na ausência de sintomas, história familiar positiva ou achados do exame físico5,21.

Figura 3.

Padrões eletrocardiográficos associados ao «coração de atleta».

(1,33MB).
Figura 4.

Definição clássica de RP versus novas definições de RP. (A e B) Definição clássica de repolarização precoce baseada na elevação ST no final do QRS (ponto J); exemplos sem (A) e com (B) onda J. (C e D) Novas definições de repolarização precoce com porção terminal do QRS prolongada e novo ponto J (C); sem elevação ST (D).

(0,24MB).

O critério para classificação de hipertrofia ventricular esquerda (HVE) mais usado é o de Sokolow‐Lyon (SV1+[RV5 ou V6] >3,5mV) e está presente em 45% de atletas masculinos e 10% de atletas femininas. Este critério isolado deixou de ser considerado anormal em atletas, já que a sua determinação está sujeita a muitos fatores de erro e, também, porque se constatou que, quase sempre, refletia remodelagem e aumento das cavidades cardíacas como resposta fisiológica ao exercício físico regular5. Neste caso, o médico deve assegurar que não existem alterações associadas ao critério de voltagem, já que alterações como depressão do segmento ST, inversão da onda T, ondas Q patológicas, desvio esquerdo do eixo e aumento auricular poderão indicar MCH ou outra patologia37.

Alterações «patológicas» do eletrocardiograma não relacionadas com a prática regular do exercício físico

Na Tabela 4 podem ver‐se os critérios para classificar as várias alterações no ECG, nas diferentes doenças cardíacas, detetáveis no rastreio pré‐participação. A Figura 5 apresenta alguns traçados de ECG ilustrativos das patologias cardíacas identificáveis e associadas a MSC. Dado que grande parte destas patologias, como as canalopatias ou a MCH, são diagnosticadas por ECG, é importante o médico estar familiarizado com as doenças e os seus padrões eletrocardiográficos típicos, de forma a aumentar a acuidade diagnóstica do rastreio pré‐desportivo, principalmente nas faixas etárias mais afetadas.

Tabela 4.

Critérios de classificação do ECG do atleta relacionadas com alterações patológicas e que requerem avaliação diagnóstica detalhada

Alterações do ECG  Critério para avaliação mais aprofundada  Exemplo  Pré‐excitação ventricular  Intervalo PR<120ms com onda delta e QRS alargado (>120ms)   
Ondas Q patológicas  >3mm de amplitude e/ou >40ms de duração em duas ou mais derivações (exceto III e aVR)    Desvio esquerdo do eixo  −30° até ‐90°   
Depressão do segmento ST  0,5mm de infradesnivelamento em duas ou mais derivações    Hipertrofia ventricular direita  R‐V1+S‐V5>10,5mm e desvio direito do eixo>120°   
Inversão da onda T  >1mm em amplitude em duas ou mais derivações V2‐V6, DII e aVF, ou DI e aVL (excluindo DII, aVR e V1)    Padrão de Brugada  Elevação do ponto J 2mm com segmento ST descendente de morfologia côncava e onda T negativa em ≥ 2 derivações V1‐V3   
Aumento da aurícula esquerda  Duração da onda p>120ms nas derivações DI ou DII com uma componente negativa da onda p1mm em amplitude e ≥40ms em duração em V1    Intervalo QTc*  >470ms em homens>480ms em mulheres>500ms (prolongamento QT marcado)<320 em qualquer atleta   
Bloqueio completo de ramo esquerdo  QRS ≥120ms, predominantemente negativo em V1/QS ou rS), onda R vertical monofásica em DI e V6    Bradicardia sinusal profunda  <30bpm ou pausas sinusais ≥3 
Taquiarritmias auriculares  Taquicardia supraventricular, fibrilhação auricular, flutter auricular    Contrações ventriculares precoces  2CVP por 10s de traçado   
Atraso da condução intraventricular  Qualquer QRS≥140ms    Arritmias ventriculares  Couplets, triplets e taquicardia ventricular não sustentada   

Adaptado de Drezner et al.10,37,45.

*

O intervalo QT corrigido para a frequência cardíaca é normalmente medido com frequências cardíacas entre 60‐90. Considerar repetição do ECG após exercício moderado para doentes borderline ou com QTC anormal com frequência cardíaca <50bm.

A – Anomalias congénitas da estrutura cardíaca

B – Anomalias elétricas cardíacas

As alterações elétricas do coração são a causa de morte mais provável no caso das autópsias de morte súbita inexplicável (MSI), principalmente em idades pediátricas ou do adulto jovem. Testes genéticos feitos post‐mortem apontam as mutações dos canais iónicos (canalopatias), como responsáveis por 25‐35% dessas mortes16,45. Dentro das arritmias primárias hereditárias e dos distúrbios da condução que podem resultar em MSC, incluem‐se:

Recomendações atuais e variantes

O ECG é uma ferramenta bem estabelecida, apesar de alguma controvérsia sobre a sua utilidade na avaliação dos atletas, fornecendo importante informação diagnóstica e prognóstica sobre uma variedade grande de patologias cardiovasculares que estão, claramente, associadas a um aumento do risco de MSC durante a prática de desporto. Urge assim, seguir determinados critérios padronizados internacionalmente, no sentido de classificar as potenciais alterações encontradas no ECG como normais/fisiológicas ou como patológicas. Os Critérios de Seattle10 são as guidelines mais recentes e respondem com clareza, face aos conhecimentos atuais, ao desafio de interpretar e classificar o ECG, e relacioná‐las com atitudes permissivas ou impeditivas da prática de desporto. Estas guidelines foram publicadas com o intuito de fornecer uma nova ferramenta de aprendizagem aos médicos, de forma a melhor distinguir as alterações do ECG relacionadas com as adaptações fisiológicas das alterações potencialmente fatais encontradas no ECG de um atleta10. Reduzir o número de falsos positivos era um dos principais objetivos, já que era a principal limitação das guidelines anteriores. Estudos comparativos indicam uma diminuição de quase 80% no número de ECG anormais, quando usados os Critérios de Seattle: prevalência de 26‐29,3% de ECG anormais segundo os critérios europeus versus 6‐11,2% segundo as guidelines mais recentes57,58. Asif et al. obtiveram uma percentagem de 1,7% de falsos positivos com o uso do ECG e a sua interpretação segundo os Critérios de Seattle59, valor que pode vir a ser melhorado se se excluirem algumas alterações do ECG consideradas ainda «patológicas», mesmo quando isoladas, como o desvio esquerdo do eixo ou o aumento da aurícula esquerda60,61.

A grande limitação destes novos Critérios de Seattle (2012) é a sua falta de validade externa, já que existe grande variabilidade entre géneros, raças e idades, e quase todos os estudos nesta área são feitos em homens, caucasianos e com uma idade entre 14‐35 anos. Assim, é importante ir adquirindo experiência na interpretação eletrocardiográfica, nomeadamente no contexto já mencionado (género, raça e idade) e promover estudos comparativos nas subpopulações apontadas, de forma a poderem surgir guidelines e recomendações focadas em determinados grupos, atendendo aos seus padrões eletrocardiográficos específicos.

Sexo feminino

Alguns estudos mais antigos estimavam uma incidência de MSC em atletas do sexo feminino de 0‐1:1300000 atletas. Esse valor foi posteriormente contrariado por Harmon et al., que estimaram uma incidência de 1:77000 atletas, uma incidência 2,3 vezes menor no indivíduo do sexo feminino, comparativamente com os do sexo masculino62. Esta diferença tem sido explicada pelo facto de o sexo masculino ser fator de risco independente de MSC e não apenas relacionada com a doença coronária12. A maioria dos estudos em atletas do sexo feminino foca as alterações da repolarização e a diferença de prevalência destas, quando comparada com o que se verifica nos indivíduos do sexo masculino, e concluíram que estas alterações do ECG eram bastante menos prevalentes em mulheres do que em homens (5,9 versus 21%) existindo, por exemplo, diferenças estatisticamente significativas na prevalência de elevação ponto J (21,5 versus 35%) e elevação do ST (0,5 versus 3,3%)63. Rollin et al. demonstraram mesmo que, apesar de as alterações da repolarização serem menos prevalentes em atletas do sexo feminino, estas podem ser um fator de risco de morte por todas as causas e morte cardiovascular, com um hazard ratio de 4,77 e 7,11, respetivamente64.

Raça negra

Os Critérios de Seattle foram a primeira guideline com uma especificação para os indivíduos de raça negra, conhecida neste contexto como indivíduos de origem africana/afro‐caribenha. Isto acontece devido ao reconhecimento de uma incidência de MSC especialmente alta neste grupo, na ordem dos 5.6:10000018 e, também, de uma série de padrões do ECG típicos, que se percebeu aparecerem como adaptações fisiológicas ao treino. Estas adaptações refletem‐se, principalmente, numa maior prevalência de critérios de voltagem de HVE (68 versus 40%), alterações da repolarização ao nível da elevação do ponto J com um segmento ST côncavo ou convexo (85 versus 62%) e da inversão de uma onda T profunda (12 versus 0%) em indivíduos negros, em comparação com indivíduos da raça branca1,22. Uma análise multivariável demonstrou que a etnicidade negra representava um fator preditor de anomalias do ECG (risco relativo de 2,3 quando comparado com os achados do ECG num não‐negro)22. A MCH, por exemplo, é cerca de dez vezes mais prevalente em negros do que em caucasianos, o que torna o ECG especialmente útil neste subgrupo1,65.

Idade pediátrica

Os Critérios de Seattle não apresentam validade científica em atletas com idade inferior a 14 anos. Alguns aspetos característicos destas idades são a ausência de diferenças nos padrões no ECG relacionadas com o género (provavelmente, devido à falta de influência das hormonas sexuais)66, inversão da onda T nas derivações précordiais67, intervalos PR, QRS e QT mais curtos (em parte devido às altas frequências cardíacas características). De realçar, que estas alterações vão tendendo para o padrão do adulto com o passar dos anos, sem haver uma idade específica para tal, tornando difícil a diferenciação entre padrões juvenis persistentes e padrões associados a patologia cardíaca subjacente.

Recomendações para a prática desportiva

Além da falta de concordância quanto ao uso do ECG no rastreio pré‐desportivo, EUA e Europa voltam a discordar quanto às recomendações a dar aos atletas com alterações cardiovasculares. Na Tabela 5 estão resumidas as últimas recomendações por patologia, segundo as duas diferentes entidades (American College of Cardiology [ACC] e ESC)1,43.

Tabela 5.

Recomendações para a prática desportiva de atletas com alterações cardiovasculares segundo a ACC – BC#36 e a ESC

  Critérios clínicos e desportos permitidos
  ACC – 36thBC72  ESC32 
Diagnóstico definitivo  Nenhum desporto competitivo   
MCH
Genótipo positivo/fenótipo negativo  Todos os desportos  Nenhum desporto competitivo 
DAVD  Nenhum desporto  Nenhum desporto 
     
ACAC  Nenhum desporto. Pode voltar a competir após três meses da cirurgia  Não é referenciado no documento 
     
Miocardite  Todos os desportos durante seis meses. Pode voltar a competir quando as análises voltarem ao normal  Todos os desportos durante seis meses. Pode voltar a competir quando as análises voltarem ao normal 
Síndrome de Marfan  Se a raiz da aorta <40mm, sem HF de MSC, desportos de moderada intensidade  Só desportos recreativo 
Diagnóstico definitivo  >0,47s nos homens >0,48s nas mulheres; sintomáticos nenhum desporto competitivo  >0,44s nos homens e>0,46 na mulheres nenhum desporto competitivo 
SQTL  Assintomáticos desporto de baixa intensidade   
Genótipo positivo/fenótipo negativo  Todos os desportos  Nenhum desporto 
SQTC  Apenas desporto de baixa intensidade/estáticos. Desportos com risco para o doente ou outros devido a (pré)síncope devem ser evitados  Não é referenciado no documento 
     
SBr  Desporto competitivo de baixa intensidade  Nenhum desporto 
Diagnóstico definitivo  Nenhum desporto competitivo  Nenhum desporto 
TVPC
Genótipo positivo/fenótipo negativo  Desportos de baixa intensidade  Nenhum desporto 
Síndrome de WPW  Todos os desportos se assintomático estudo EF se sintomático. Ablação se risco elevado e pode competir  Todos os desportos se assintomático estudo EF se sintomático ou assintomático; ablação se risco elevado e pode competir 

ACAC: anomalia congénita das artérias coronárias; ACC CB#36: American College of Cardiology 36th Bethesda Conference; DAVD: displasia arritmogénica do ventrículo direito; EF: estudo electrofisiológico; ESC: European Society of Cardiology; HF: história familiar; MCH: miocardiopatia hipertrófica; MSC: morte súbita cardíaca; SBr: síndrome de Brugada; SQTL: síndrome do QT longo; TVPC: taquicardia ventricular polimórfica catecolaminergica; WPW: Wolff‐Parkinson‐White.

Limitações e controvérsias do eletrocardiograma nos atletas

A melhor forma de diferenciar os atletas em risco de MSC continua a ser debatida, mantendo‐se a falta de consenso entre a ESC e a AHA. Os Critérios de Seattle vieram responder a um dos grandes entraves da implementação do ECG no rastreio pré‐desportivo, que era o alto número de falsos positivos, quando comparados com os critérios na guidelines anteriores57,58,68. Atingir um índice de falsos positivos de 1,7%59 levou a uma mudança de paradigma, pois a preocupação passou do número de falsos positivos para o de falsos negativos. Até ao momento, não existem razões que nos levem a crer que os Critérios de Seattle não sejam seguros, mas novos estudos prospetivos são necessários, de forma a perceber qual o outcome de todos os atletas avaliados.

Outra grande preocupação em relação ao uso do ECG tem sido o seu impacto financeiro e a fraca relação custo‐efetividade. Wheeler et al.69 afirmam que a adição do ECG ao rastreio pré‐desportivo salva 2,06 vidas por ano por 1000 atletas, a um custo de 89$ por atleta, obtendo‐se uma relação custo‐efetividade de 42900$ por vida salva, representando um custo muito menor do que algumas iniciativas de saúde pública, como a diálise (20000‐80000$) ou o acesso público a desfibrilhadores (55000‐162000$).

Asif et al.59 responderam, também, a uma questão muito interessante, a propósito da oposição à implementação do ECG no rastreio pré‐desportivo. Aqueles autores tentaram avaliar o impacto psicológico que a adição do ECG ao rastreio teria nos atletas, incluindo nos falsos positivos, e chegaram à conclusão que a diferença dos níveis de ansiedade com e sem ECG não era estatisticamente significativa, e ainda que, no grupo que incluía o ECG, os atletas sentiam‐se mais satisfeitos com o rastreio, mais tranquilos durante a prática desportiva e sentiam que tinha tido um impacto positivo no seu treino.

Outro estudo demonstrou o benefício da deteção precoce e tratamento ativo de doentes com SQTL para redução da MSC. Johnson et al.70 detetaram 353 indivíduos com SQTL, dos quais 130 eram atletas, que preferiram continuar a praticar desportos de competição. Esses receberam aconselhamento, bloqueadores beta, desnervação simpática cardíaca esquerda e CDI. No final de 5,1 anos, nenhum atleta tinha morrido e, dos 130 doentes, apenas um deles tinha necessitado do CDI. Ainda que estes resultados não possam ser transferidos para outras patologias, mostram‐nos a necessidade de novos estudos para que tanto a escolha do tratamento, como a elegibilidade de um atleta para a prática desportiva, sejam feitas com base em evidência científica.

A evidência que apoia o uso do ECG como rastreio tem vindo a acumular‐se. No entanto, para que tal se demonstre eficaz, é necessário e urgente apostar na formação médica e desenvolvimento de uma ferramenta de auxílio à interpretação do ECG, pois, em última análise, o custo‐efetividade do uso do ECG como método de rastreio pré‐desportivo vai ser influenciado tanto pela competência do médico, como pela sua resposta estratégica a alterações anormais ou nos casos borderline. O algoritmo de avaliação de atletas (Figura 9) para identificação de possíveis causas cardiovasculares de morte súbita, proposto por Chandra et al.1, identifica bem o papel do ECG. O seguimento deste algoritmo e, em particular, a melhoria da educação ao nível dos cuidados de saúde primários, de especialistas em medicina desportiva e de cardiologistas é de crucial importância, antes da implementação deste exame no protocolo de rastreio pré‐desportivo, de forma a evitar números inaceitáveis de falsos positivos.

MSC. ACAC: anomalias congénitas das artérias coronárias; DAVD: displasia arritmogénica do ventrículo direito; HVE: hipertrofia ventricular esquerda; MCH: miocardiopatia hipertrófica; MSC: morte súbita cardíaca; SBr: síndrome de Brugada; SQTL: síndrome do QT longo; WPW: síndrome de Wolff‐Parkinson‐White. Adaptado de Estner et al.73.

'> Algoritmo de avaliação de atletas com condições capazes de causar <span class=MSC. ACAC: anomalias congénitas das artérias coronárias; DAVD: displasia arritmogénica do ventrículo direito; HVE: hipertrofia ventricular esquerda; MCH: miocardiopatia hipertrófica; MSC: morte súbita cardíaca; SBr: síndrome de Brugada; SQTL: síndrome do QT longo; WPW: síndrome de Wolff‐Parkinson‐White. Adaptado de Estner et al.73.' title='Algoritmo de avaliação de atletas com condições capazes de causar MSC. ACAC: anomalias congénitas das artérias coronárias; DAVD: displasia arritmogénica do ventrículo direito; HVE: hipertrofia ventricular esquerda; MCH: miocardiopatia hipertrófica; MSC: morte súbita cardíaca; SBr: síndrome de Brugada; SQTL: síndrome do QT longo; WPW: síndrome de Wolff‐Parkinson‐White. Adaptado de Estner et al.73.'/>
Figura 9.

Algoritmo de avaliação de atletas com condições capazes de causar MSC. ACAC: anomalias congénitas das artérias coronárias; DAVD: displasia arritmogénica do ventrículo direito; HVE: hipertrofia ventricular esquerda; MCH: miocardiopatia hipertrófica; MSC: morte súbita cardíaca; SBr: síndrome de Brugada; SQTL: síndrome do QT longo; WPW: síndrome de Wolff‐Parkinson‐White. Adaptado de Estner et al.73.

(0,5MB).
Conclusão

O número de atletas tem vindo a aumentar substancialmente nos últimos anos e com uma idade de início da prática desportiva cada vez mais precoce. Desta forma, urge encontrarmos uma forma padronizada de avaliar esta população e prevenir qualquer desfecho fatal. Os estudos mais recentes têm vindo a demonstrar que o uso do ECG, com os critérios de interpretação apropriados, é um elemento valioso do rastreio pré‐desportivo. Os Critérios de Seattle foram um passo importante para a melhoria da eficácia diagnóstica do ECG, mas mostra‐nos, também, que ainda estamos longe de ter um ferramenta perfeita, já que é necessário perceber as diferenças de padrões eletrocardiográficos entre as diferentes subpopulações e, também, que reflexo patológico real podem elas ter.

Responsabilidades éticasProteção de pessoas e animais

Os autores declaram que para esta investigação não se realizaram experiências em seres humanos e/ou animais.

Confidencialidade dos dados

Os autores declaram que não aparecem dados de pacientes neste artigo.

Direito à privacidade e consentimento escrito

Os autores declaram que não aparecem dados de pacientes neste artigo.

Conflito de interesses

Os autores declaram não haver conflito de interesses.

Bibliografia
[1]
N. Chandra, R. Bastiaenen, M. Papadakis, et al.
Sudden cardiac death in young athletes: practical challenges and diagnostic dilemmas.
J Am Coll Cardiol., 61 (2013), pp. 1027-1040
[2]
J. Perk, G. De Backer, H. Gohlke, et al.
European guidelines on cardiovascular disease prevention in clinical practice (version 2012): the Fifth Joint Task Force of the European Society of Cardiology and other societies on cardiovascular disease prevention in clinical practice (constituted by representatives of nine societies and by invited experts).
Int J Behav Med., 19 (2012), pp. 403-488
[3]
I.M. Asif, A.L. Rao, J.A. Drezner.
Sudden cardiac death in young athletes: what is the role of screening?.
Curr Opin Cardiol., 28 (2013), pp. 55-62
[4]
P. Fritsch, M. Köstenberger, A. Boysen, et al.
Sudden cardiac death in children and adolescents. Causes and prevention.
Padiatrische Praxis., 78 (2012), pp. 589-598
[5]
J.A. Drezner, P. Fischbach, V. Froelicher, et al.
Normal electrocardiographic findings: recognising physiological adaptations in athletes.
Br J Sports Med., 47 (2013), pp. 125-136
[6]
C. Schmied, M. Borjesson.
Sudden cardiac death in athletes.
J Intern Med., 275 (2014), pp. 93-103
[7]
M. Borjesson, M. Dellborg.
Is there evidence for mandating electrocardiogram as part of the pre‐participation examination?.
Clin J Sport Med., 21 (2011), pp. 13-17
[8]
I.M. Asif, J.A. Drezner.
Sudden cardiac death and preparticipation screening: the debate continues‐in support of electrocardiogram‐inclusive preparticipation screening.
Prog Cardiovasc Dis., 54 (2012), pp. 445-450
[9]
P. Borrione, F. Quaranta, E. Ciminelli.
Pre‐participation screening for the prevention of sudden cardiac death in athletes.
World J Methodol., 3 (2013), pp. 1-6
[10]
J.A. Drezner, M.J. Ackerman, J. Anderson, et al.
Electrocardiographic interpretation in athletes: the ‘Seattle Criteria’.
Br J Sports Med., 47 (2013), pp. 122-124
[11]
B.J. Maron.
Hypertrophic cardiomyopathy and other causes of sudden cardiac death in young competitive athletes, with considerations for preparticipation screening and criteria for disqualification.
Cardiol Clin., 25 (2007), pp. 399-414
[12]
B.J. Maron, J.J. Doerer, T.S. Haas, et al.
Sudden deaths in young competitive athletes: analysis of 1866 deaths in the United States, 1980‐2006.
Circulation., 119 (2009), pp. 1085-1092
[13]
D. Corrado, C. Basso, G. Rizzoli, et al.
Does sports activity enhance the risk of sudden death in adolescents and young adults?.
J Am Coll Cardiol., 42 (2003), pp. 1959-1963
[14]
C. Wren.
Cardiovascular pre‐participation screening of young competitive athletes for prevention of sudden death: proposal for a common European protocol.
Eur Heart J., 26 (2005), pp. 1804-1805
[15]
E. Morse, M. Funk.
Preparticipation screening and prevention of sudden cardiac death in athletes: implications for primary care.
J Am Acad Nurse Pract., 24 (2012), pp. 63-69
[16]
J. Drezner, S. Berger, R. Campbell.
Current controversies in the cardiovascular screening of athletes.
Curr Sports Med Rep., 9 (2010), pp. 86-92
[17]
R.J. Shephard.
Is electrocardiogram screening of North American athletes now warranted?.
Clin J Sport Med., 21 (2011), pp. 189-191
[18]
B.C. Yaniv, M.J. Silka.
The pre‐sports cardiovascular evaluation: should it depend on the level of competition, the sport, or the state?.
Pediatr Cardiol., 33 (2012), pp. 417-427
[19]
I. Zeltser, B. Cannon, L. Silvana, et al.
Lessons learned from preparticipation cardiovascular screening in a state funded program.
Am J Cardiol., 110 (2012), pp. 902-908
[20]
B.J. Maron, P.D. Thompson, M.J. Ackerman, et al.
Recommendations and considerations related to preparticipation screening for cardiovascular abnormalities in competitive athletes: 2007 update: a scientific statement from the American Heart Association Council on Nutrition, Physical Activity, and Metabolism: endorsed by the American College of Cardiology Foundation.
Circulation., 115 (2007), pp. 1643-1655
[21]
H. Dores, A. Freitas, A. Malhotra, et al.
The hearts of competitive athletes: an up‐to‐date overview of exercise‐induced cardiac adaptations.
Rev Port Cardiol., 34 (2015), pp. 51-64
[22]
N. Chandra, M. Papadakis, S. Sharma.
Cardiac adaptation in athletes of black ethnicity: differentiating pathology from physiology.
Heart., 98 (2012), pp. 1194-1200
[23]
M. Papadakis, F. Carre, G. Kervio, et al.
The prevalence, distribution, and clinical outcomes of electrocardiographic repolarization patterns in male athletes of African/Afro‐Caribbean origin.
Eur Heart J., 32 (2011), pp. 2304-2313
[24]
P. Głowacka, J. Szefler, K. Mizia-Stec, et al.
Resting electrocardiography in competitive athletes.
J Orthop Trauma Res., (2012), pp. 51-58
[25]
V.-V. Le, M.T. Wheeler, S. Mandic, et al.
Addition of the electrocardiogram to the preparticipation examination of college athletes.
Clin J Sport Med., 20 (2010), pp. 98-105
[26]
A. Magalski, M. McCoy, M. Zabel, et al.
Cardiovascular screening with electrocardiography and echocardiography in collegiate athletes.
Am J Med., 124 (2011), pp. 511-518
[27]
D. McClaskey, D. Lee, E. Buch.
Outcomes among athletes with arrhythmias and electrocardiographic abnormalities: implications for ECG interpretation.
Sports Med., 43 (2013), pp. 979-991
[28]
N. Sheikh, M. Papadakis, F. Carre, et al.
Cardiac adaptation to exercise in adolescent athletes of African ethnicity: an emergent elite athletic population.
Br J Sports Med., 47 (2013), pp. 585-592
[29]
S. Stern.
The year of 2010 in electrocardiology.
Ann Noninvasive Electrocardiol., 17 (2012), pp. 79-84
[30]
A. Pelliccia, M.S. Maron, B.J. Maron.
Assessment of left ventricular hypertrophy in a trained athlete: differential diagnosis of physiologic athlete's heart from pathologic hypertrophy.
Prog Cardiovasc Dis., 54 (2012), pp. 387-396
[31]
D. Corrado, A. Pelliccia, H. Heidbuchel, et al.
Recommendations for interpretation of 12‐lead electrocardiogram in the athlete.
Eur Heart J., 31 (2010), pp. 243-259
[32]
A. Pelliccia, R. Fagard, H.H. Bjornstad, et al.
Recommendations for competitive sports participation in athletes with cardiovascular disease: a consensus document from the Study Group of Sports Cardiology of the Working Group of Cardiac Rehabilitation and Exercise Physiology and the Working Group of Myocardial and Pericardial Diseases of the European Society of Cardiology.
Eur Heart J., 26 (2005), pp. 1422-1445
[33]
J.A. Snoek, J.K. Jongman, T. Brandon, et al.
Performance of the Lausanne questionnaire and the 2010 European Society of Cardiology criteria for ECG interpretation in athletes.
Eur J Prev Cardiol., 22 (2013), pp. 397-405
[34]
R.B. Weiner, A.M. Hutter, F. Wang, et al.
Performance of the 2010 European Society of Cardiology criteria for ECG interpretation in athletes.
Heart., 97 (2011), pp. 1573-1577
[35]
A.L. Baggish, A.M. Hutter Jr., F. Wang, et al.
Cardiovascular screening in college athletes with and without electrocardiography: a cross‐sectional study.
Ann Intern Med., 152 (2010), pp. 269-279
[36]
J.A. Drezner, I.M. Asif, D.S. Owens, et al.
Accuracy of ECG interpretation in competitive athletes: the impact of using standardised ECG criteria.
British Journal of Sports Medicine., 46 (2012), pp. 335-340
[37]
J.A. Drezner, E. Ashley, A.L. Baggish, et al.
Abnormal electrocardiographic findings in athletes: recognising changes suggestive of cardiomyopathy.
Br J Sports Med., 47 (2013), pp. 137-152
[38]
T.E. Paterick, M.F. Jan, Z.R. Paterick, et al.
Cardiac evaluation of collegiate student athletes: a medical and legal perspective.
Am J Med., 125 (2012), pp. 742-752
[39]
A. Uberoi, R. Stein, M.V. Perez, et al.
Interpretation of the electrocardiogram of young athletes.
Circulation., 124 (2011), pp. 746-757
[40]
D. Moreira, A. Delgado, B. Marmelo, et al.
Arrhythmogenic right ventricular cardiomyopathy: contribution of different electrocardiographic techniques.
Rev Port Cardiol., 33 (2014), pp. 243
[41]
J.D.S. Sniderman, D.M. Sado, A.D. Sniderman, et al.
Evaluation of suspected right ventricular pathology in the athlete.
Prog Cardiovasc Dis., 54 (2012), pp. 397-406
[42]
M. Cohen, S. Berger.
The electrocardiogram as an adjunct in diagnosing congenital coronary arterial anomalies.
Cardiol Young., 20 (2010), pp. 59-67
[43]
L.P.J. Oliveira, C.E. Lawless.
Making prudent recommendations for return‐to‐play in adult athletes with cardiac conditions.
Curr Sports Med Rep., 10 (2011), pp. 65-77
[44]
M. Loukas, A. Sharma, C. Blaak, et al.
The clinical anatomy of the coronary arteries.
J Cardiovasc Transl Res., 6 (2013), pp. 197-207
[45]
J.A. Drezner, M.J. Ackerman, B.C. Cannon, et al.
Abnormal electrocardiographic findings in athletes: recognising changes suggestive of primary electrical disease.
Br J Sports Med., 47 (2013), pp. 153-167
[46]
A.R. Perez-Riera, L.C. de Abreu, F. Yanowitz, et al.
“Benign” early repolarization versus malignant early abnormalities: clinical‐electrocardiographic distinction and genetic basis.
Cardiol J., 19 (2012), pp. 337-346
[47]
V. Illikova, P. Hlivak, R. Hatala.
Cardiac channelopathies in pediatric patients ‐ 7‐years single center experience.
J Electrocardiol., 48 (2014), pp. 150-156
[48]
B. Benito, R. Brugada, J. Brugada, et al.
Brugada syndrome.
Prog Cardiovasc Dis., 51 (2008), pp. 1-22
[49]
C. Antzelevitch.
Brugada syndrome.
Pacing Clin Electrophysiol., 29 (2006), pp. 1130-1159
[50]
K. Calloe, J.M. Cordeiro, J.M. Di Diego, et al.
A transient outward potassium current activator recapitulates the electrocardiographic manifestations of Brugada syndrome.
Cardiovasc Res., 81 (2009), pp. 686-694
[51]
A.S. Sheikh, K. Ranjan.
Brugada syndrome: a review of the literature.
Clin Med., 14 (2014), pp. 482-489
[52]
B. Cordeiro Picarra, P. Silva Cunha, M. Oliveira, et al.
Syncope and intermittent Brugada ECG pattern.
Rev Port Cardiol., 32 (2013), pp. 411-414
[53]
A. Naseef, E.R. Behr, V.N. Batchvarov.
Electrocardiographic methods for diagnosis and risk stratification in the Brugada syndrome.
J Saudi Heart Assoc., 27 (2015), pp. 96-108
[54]
H. Dores, K. Reis Santos, P. Adragão, et al.
Long‐term prognosis of patients with Brugada syndrome and an implanted cardioverter‐defibrillator.
Rev Port Cardiol., (2015),
[55]
G. Silva, G.P. de Morais, J. Primo, et al.
Aborted sudden cardiac death as first presentation of Wolff‐Parkinson‐White syndrome.
Rev Port Cardiol., 32 (2013), pp. 325-329
[56]
A.L. Rao, J.C. Salerno, I.M. Asif, et al.
Evaluation and management of Wolff‐Parkinson‐White in athletes.
Sports Health., 6 (2014), pp. 326-332
[57]
D. Pickham, S. Zarafshar, D. Sani, et al.
Comparison of three ECG criteria for athlete pre‐participation screening.
J Electrocardiol., 47 (2014), pp. 769-774
[58]
H.M. Berge, K. Gjesdal, T.E. Andersen, et al.
Prevalence of abnormal ECGs in male soccer players decreases with the Seattle criteria, but is still high.
Scand J Med Sci Sports., (2014),
[59]
I.M. Asif, S. Johnson, J. Schmieg, et al.
The psychological impact of cardiovascular screening: the athlete's perspective.
Br J Sports Med., 48 (2014), pp. 1162-1166
[60]
S. Gati, N. Sheikh, S. Ghani, et al.
Should axis deviation or atrial enlargement be categorised as abnormal in young athletes? The athlete's electrocardiogram: time for re‐appraisal of markers of pathology.
Eur Heart J., 34 (2013), pp. 3641-3648
[61]
N. Sheikh, M. Papadakis, S. Ghani, et al.
Comparison of electrocardiographic criteria for the detection of cardiac abnormalities in elite black and white athletes.
Circulation., 129 (2014), pp. 1637-1649
[62]
K.G. Harmon, I.M. Asif, D. Klossner, et al.
Incidence of sudden cardiac death in National Collegiate Athletic Association athletes.
Circulation., 123 (2011), pp. 1594-1600
[63]
C.M. Yong, S. Zarafshar, V. Froelicher.
J wave patterns and ST elevation in women.
J Electrocardiol., 46 (2013), pp. 417-423
[64]
A. Rollin, P. Maury, V. Bongard, et al.
Prevalence, prognosis, and identification of the malignant form of early repolarization pattern in a population‐based study.
Am J Cardiol., 110 (2012), pp. 1302-1308
[65]
S. Basavarajaiah, M. Wilson, G. Whyte, et al.
Prevalence of hypertrophic cardiomyopathy in highly trained athletes: relevance to pre‐participation screening.
J Am Coll Cardiol., 51 (2008), pp. 1033-1039
[66]
S. Koch, M. Cassel, K. Linne, et al.
ECG and echocardiographic findings in 10‐15‐year‐old elite athletes.
Eur J Prev Cardiol., 21 (2012), pp. 774-781
[67]
F. Migliore, A. Zorzi, P. Michieli, et al.
Prevalence of cardiomyopathy in Italian asymptomatic children with electrocardiographic T‐wave inversion at preparticipation screening.
Circulation., 125 (2012), pp. 529-538
[68]
K.G. Harmon, M. Zigman, J.A. Drezner.
The effectiveness of screening history, physical exam, and ECG to detect potentially lethal cardiac disorders in athletes: a systematic review/meta‐analysis.
J Electrocardiol., 48 (2015), pp. 329-338
[69]
M.T. Wheeler, P.A. Heidenreich, V.F. Froelicher, et al.
Cost‐effectiveness of preparticipation screening for prevention of sudden cardiac death in young athletes.
Ann Intern Med., 152 (2010), pp. 276-286
[70]
J.N. Johnson, M.J. Ackerman.
Competitive sports participation in athletes with congenital long QT syndrome.
JAMA., 308 (2012), pp. 764-765
[71]
M.S. Link, N.A. Estes.
Sudden cardiac death in the athlete: bridging the gaps between evidence, policy, and practice.
Circulation., 125 (2012), pp. 2511-2516
[72]
A. Pelliccia, D.P. Zipes, B.J. Maron.
Bethesda Conference 36 and the European Society of Cardiology Consensus Recommendations revisited a comparison of U.S. and European criteria for eligibility and disqualification of competitive athletes with cardiovascular abnormalities.
J Am Coll Cardiol., 52 (2008), pp. 1990-1996
[73]
H.L. Estner, I. Deisenhofer, A. Luik, et al.
Electrical isolation of pulmonary veins in patients with atrial fibrillation: reduction of fluoroscopy exposure and procedure duration by the use of a non‐fluoroscopic navigation system (NavX).
Europace., 8 (2006), pp. 583-587
Copyright © 2015. Sociedade Portuguesa de Cardiologia
Idiomas
Revista Portuguesa de Cardiologia

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos

en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.