Compartilhar
Informação da revista
Vol. 32. Núm. 6.
Páginas 541-544 (Junho 2013)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
5985
Vol. 32. Núm. 6.
Páginas 541-544 (Junho 2013)
Caso Clínico
DOI: 10.1016/j.repc.2012.11.006
Open Access
Pseudoaneurisma gigante da via de saída do ventrículo esquerdo: uma patologia rara
Giant pseudoaneurysm of the left ventricular outflow tract: A rare disease
Visitas
5985
Larissa Acioli Pereira
Autor para correspondência
laraacioli@bol.com.br

Autor para correspondência.
, Paula Fontes Gontijo, Jorge Alcântara Farran, Antonio Carlos Palandri Chagas, Edson Renato Romano, Luis Carlos Bento de Souza
Unidade de Terapia Intensiva, Hospital do Coração de São Paulo – Associação Sanatório Sírio, São Paulo, Brasil
Este item recebeu
5985
Visitas

Under a Creative Commons license
Informação do artigo
Resume
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (4)
Mostrar maisMostrar menos
Resumo

O pseudoaneurisma da via de saída do ventrículo esquerdo (VSVE) é uma patologia rara decorrente de agressões sofridas pelo ventrículo esquerdo, como infarto agudo do miocárdio, endocardite infecciosa ou trauma cirúrgico, sendo uma afeção de alta morbimortalidade. Descreve-se um caso de pseudoaneurisma de VSVE gigante ainda mais raramente relatado na literatura. A lesão foi detetada 12 anos após a troca da válvula aórtica por endocardite infecciosa, num paciente jovem e ex-toxicodependente. Por ser uma patologia incomum, pouco se sabe sobre a sua apresentação clínica e respetivo tratamento.

Palavras-chave:
Pseudoaneurisma
Endocardite infecciosa
Via de saída do ventrículo esquerdo
Anel fibroso mitroaórtico
Abstract

Pseudoaneurysm of the left ventricular outflow tract (LVOT) is a rare disease with high morbidity and mortality, resulting from left ventricular damage due to myocardial infarction, infective endocarditis or surgical trauma. A case of giant pseudoaneurysm of the LVOT, even more rarely reported in the literature, is described. The lesion was detected 12 years after aortic valve replacement for infective endocarditis in a young patient, a former intravenous drug user. As it is an uncommon disease, little is known about its clinical presentation and treatment.

Keywords:
Pseudoaneurysm
Infective endocarditis
Left ventricular outflow tract
Mitral-aortic intervalvular fibrosa
Texto Completo
Relato de caso

Paciente de 45 anos, do sexo masculino, engenheiro, ex-toxicodependente, portador de hepatopatia crónica por vírus C e com história pregressa de troca da válvula aórtica metálica em maio de 1998 por endocardite infecciosa. Após 7 meses, evoluiu com deiscência perivalvular, tendo sido submetido a nova cirurgia, para implante de prótese em aorta ascendente com patch. Em 2009, apresentou fibrilação atrial persistente, com tentativas de cardioversão química e elétrica sem sucesso.

Em 2010, foi admitido na nossa instituição para investigação diagnóstica de quadro de tosse seca progressiva, estando em tratamento de pneumonia.

Foi iniciada a propedêutica com radiografia simples ao tórax, que evidenciou imagem radiopaca na base e terço médio do hemitórax esquerdo (Figura 1). O eletrocardiograma de 12 derivações mostrou ritmo de fibrilação atrial e sobrecarga do ventrículo esquerdo (VE). Os exames laboratoriais encontravam-se normais, sem anemia, leucocitose ou alterações eletrolíticas.

Figura 1.

A radiografia do tórax evidencia imagem radiopaca em base e terço médio de hemitórax esquerdo, com bordos calcificados. O parênquima pulmonar apresenta área de oligoemia em terço superior esquerdo e infiltrado intersticial à direita.

(0,1MB).

Realizou-se ecocardiograma transesofágico que revelou disfunção sistólica do VE (fração de ejeção do ventrículo esquerdo [FEVE]=38%), átrio esquerdo (AE) com aumento moderado (AE=50mm) e presença de dilatação importante da aorta ascendente, com 88mm no seu diâmetro maior, bem como imagem indicativa de fluxo entre o tubo protético aórtico e a aorta ascendente.

Seguidamente, o paciente foi submetido a uma angiotomografia, a qual mostrou um volumoso pseudomaneurisma junto à porção fibrosa intervalvular mitroaórtico (FIMA), que apresentava comunicação principalmente com o VE (Figuras 2 e 3). Este pseudoaneurisma determinava compressão do tronco da artéria pulmonar, da artéria pulmonar esquerda, do brônquio fonte esquerdo, estruturas broncovasculares da língula e lobo inferior do pulmão esquerdo. Havia ainda desvio de estruturas mediastinais para a esquerda.

Figuras 2 e 3.

Angiotomografia do tórax mostrando pseudoaneurisma da via de saída do ventrículo esquerdo.

(0,28MB).

Complementou-se o estudo diagnóstico com uma cineangiocoronariografia, que evidenciou coronárias anatomicamente normais, ventriculografia e aortografia, que mostraram cavidade ventricular normal, com moderada hipocontratilidade ínfero-lateral e refluxo de contraste para uma cavidade sugestiva de pseudoaneurisma gigante fazendo conexão com o VE, com paredes calcificadas e sem obstáculo a ejeção ventricular.

Durante este período, o paciente manteve-se estável hemodinamicamente. Perante a importante compressão de estruturas vizinhas ao pseudoaneurisma gigante e associada a repercussão clínica, optou-se por intervenção cirúrgica.

Em 5 de outubro de 2010, o paciente foi submetido a cirurgia cardiovascular com circulação extracorpórea (CEC), hipotermia a 23°C e, após pinçamento aórtico, infusão de cardioplegia sanguínea hiperpotassémica a 5°C nos óstios coronários. Foi retirada a prótese aórtica, permitindo a visualização do orifício de aproximadamente 1,5cm de diâmetro (Figura 4). Optou-se pela oclusão do orifício com tecido de Dacron (Figuras 5 e 6) e implante da nova prótese aórtica metálica St Jude 23, com posterior sutura da aorta e reaquecimento a 37°C.

Figura 4.

Orifício de comunicação do pseudoaneurisma com o ventrículo esquerdo visualizado após retirada da prótese aórtica.

(0,23MB).
Figuras 5 e 6.

Oclusões do orifício de comunicação com tecido de Dacron.

(0,5MB).

O paciente evoluiu com fibrilação ventricular repetidamente, necessitando de vários choques de 20 J, mantendo-se instável hemodinamicamente, com hipocontratilidade visualmente importante e grande dificuldade para sair de CEC. Foi iniciada a infusão venosa de noradrenalina e vasopressina para manter os níveis tensionais.

Na unidade de terapia intensiva, necessitou de doses máximas de drogas vasoativas, tendo sido indicada a utilização de balão intra-aórtico e a monitorização com cateter de Swan-Ganz. Evoluiu com Síndrome da Resposta Inflamatória Sistémica, traduzida por hipertermia, coagulopatia, insuficiência hepática e renal. No 3.° d de pós-operatório (DPO), o paciente manteve-se estável clinicamente, tendo sido ampliada a antibioticoterapia e suspensa a sedação. Apresentou no 4.o DPO arreatividade neurológica, com confirmação de morte encefálica em 11 de outubro de 2010.

Discussão

O pseudoaneurisma da VSVE é uma complicação rara, porém de alta letalidade. Foi primeiramente descrito em 1969 no postmortem por Lewis et al.1, que descreveu 3 casos de impending rupture numa série de estudos de autópsia de 1 228 pacientes com infarto agudo do miocárdio (IAM). Em 1988, Savage et al. reportou o diagnóstico no antemortem com o tratamento bem-sucedido, sendo então definida essa patologia como pseudoaneurisma2. A sua incidência não é conhecida exatamente, sabe-se, porém, que é ainda menos frequente do que a rutura cardíaca após IAM, a qual tem uma incidência de 2 a 4%.

O pseudoaneurisma da VSVE tem origem na rutura do miocárdio não transmural, com cavidade circundada por músculo cardíaco, mantendo-se íntegro devido à presença de pericárdio aderente ou de tecido cicatricial presente na parede livre do VE. Geralmente, ocorre após IAM (sendo esta a principal causa), trauma torácico, cirurgia cardíaca (equivalente a 1/3 dos casos)3, endocardite infecciosa, podendo apresentar-se ainda como doença cardíaca congénita. Há uma predisposição para áreas que sofreram manipulação cirúrgica, por uma deiscência da FIMA4,5. Os pacientes que foram submetidos a reoperação da válvula aórtica possuem uma incidência maior (porém, não significativa) de pseudoaneurisma quando comparados com pacientes operados uma única vez (83 e 58%, respetivamente).

A endocardite valvular é a patologia que promove maior incidência de FIMA, levando secundariamente ao pseudoaneurisma. Por ser uma região pouco vascularizada, torna-se mais susceptível à infeção. A contaminação ocorre tanto por contiguidade com a parede aórtica, quanto por disseminação pelo jato regurgitante a estruturas subaórticas e folheto anterior da válvula mitral.

A insuficiência cardíaca congestiva é a manifestação clínica mais comum, seguida da dor torácica, dispneia, hemoptise e, em alguns casos, o primeiro sintoma pode ser morte súbita. Em aproximadamente 12% das situações, os doentes apresentam-se assintomáticos ao diagnóstico4.

Uma vez formado, o pseudoaneurisma começa a causar um stresse adicional na parede da aorta com um risco potencial de rutura. Ao romper para o pericárdio, pode causar tamponamento cardíaco; no átrio tende a formar um jato excêntrico de regurgitação mitral e na aorta resulta em fístula comunicando a cavidade ventricular com a aorta. Todas estas condições correlacionam-se com alta morbidade e mortalidade. O pseudoaneurisma também predispõe a embolização e a infeção. Em alguns casos, a lesão pode permanecer intacta e tornar-se crónica, aparecendo como uma cavidade pulsátil com expansão na sístole. Há ainda relatos de compressão das artérias coronárias causando sintomas isquémicos. Nesses doentes, a causa de morte mais habitual parece ser a insuficiência cardíaca e a doença coronariana, ao invés da rutura do miocárdio6.

Os métodos diagnósticos disponíveis incluem: ecocardiograma, cateterismo, tomografia computorizada e ressonância magnética. A angiografia apresenta-se como método diagnóstico padrão ouro, sendo, contudo, invasiva e de maior custo3. O ecocardiograma tridimensional também é uma alternativa, apesar de existirem poucos relatos sobre a sua eficácia no diagnóstico do pseudoaneurisma e respetivas complicações.

Por ser uma patologia de alta morbimortalidade, com elevado risco de complicações graves e potencialmente fatais, a maioria dos estudos recomenda a correção cirúrgica do pseudoaneurisma2,7–9. A sobrevida é reduzida, caso não se realize cirurgia de correção7. A mortalidade cirúrgica aceitável é de 7-23% após o aperfeiçoamento das técnicas cirúrgicas. Porém, em alguns casos, foi descrita a resolução espontânea do pseudoaneurisma10.

No caso de pacientes com pseudoaneurisma crónico (mais de três meses de evolução), clinicamente estáveis, alguns autores sugerem um tratamento não invasivo com seguimento frequente, o qual reduz o risco de complicações e a mortalidade. A intervenção cirúrgica nestes pacientes está indicada na presença de complicações (taquiarritmias ou embolismo recorrente), quando há indicação cirúrgica por outro motivo, ou quando é diagnosticado em menos de três meses após o IAM6.

Descreveu-se um caso de pseudoaneurisma de VSVE gigante. A lesão foi detetada 12 anos após a troca da válvula aórtica por endocardite infecciosa num paciente jovem e ex-toxicodependente. Por ser uma patologia incomum, com poucos casos relatados na literatura, pouco se sabe sobre a sua apresentação clínica e respetivo tratamento.

Conflito de interesses

Os autores declaram não haver conflito de interesses.

Bibliografia
[1]
A.J. Lewis, H.B. Burchell, J.L. Titus.
Clinical and pathologic features of postinfarction cardiac rupture.
Am J Cardiol, 23 (1969), pp. 43-53
[2]
M.P. Savage, J.T. Hopkins, J.Y. Templeton 3rd, et al.
Left ventricular pseudopseudoaneurysm: Angiographic features and surgical treatment of impending cardiac rupture.
Am Heart J, 116 (1988), pp. 864-866
[3]
C. Frances, A. Romero, D. Grady.
Left ventricular pseudoaneurysm.
J Am Coll Cardiol, 32 (1998), pp. 557-561
[4]
S. Kaul, M.A. Josephson, C. Tei, et al.
Atypical echocardiographic and angiographic presentation of a postoperative pseudoaneurysm of the left ventricle after repair of a true aneurysm.
J Am Coll Cardiol, 2 (1983), pp. 780-784
[5]
M. Ballester Rodés, J.L. López Sendón, L. McDonald.
Rupture of the free wall of the left ventricle identified by bidimensional echocardiography. Presentation of a case of ventricular pseudoaneurysm after resection of an apical aneurysm.
Rev Esp Cardiol, 37 (1984), pp. 75-77
[6]
T.C. Yeo, J.F. Malouf, G.S. Reeder, et al.
Clinical characteristics and outcome in postinfarction pseudoaneurysm.
Am J Cardiol, 84 (1999), pp. 592-595
[7]
M.B. Pliam, J.J. Sternlieb.
Intramyocardial dissecting hematoma: An unusual form of subacute cardiac rupture.
J Card Surg, 8 (1993), pp. 628-637
[8]
D. Maselli, E. Micalizzi, R. Pizio, et al.
Posttraumatic left ventricular pseudoaneurysm due to intramyocardial dissecting hematoma.
Ann Thorac Surg, 64 (1997), pp. 830-831
[9]
F. Alessandrini, M. de Bonis, E. Lapenna, et al.
Posterior-septal pseudo-pseudoaneurysm with limited left-to-right shunt: An unexpected easy repair.
J Cardiovasc Surg (Torino), 40 (1999), pp. 539-541
[10]
N. Kanemoto, S. Hirose, Y. Goto, et al.
Disappearing false aneurysm of the ventricular septum without rupture: A complication of acute inferior myocardial infarction–a case report.
Angiology, 39 (1988), pp. 263-271
Copyright © 2011. Sociedade Portuguesa de Cardiologia
Idiomas
Revista Portuguesa de Cardiologia

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos

en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.