Compartilhar
Informação da revista
Vol. 36. Núm. 10.Outubro 2017
Páginas 687-788
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
870
Vol. 36. Núm. 10.Outubro 2017
Páginas 687-788
Comentário editorial
DOI: 10.1016/j.repc.2017.09.003
Open Access
Biomarcadores cardíacos: na senda da remodelagem reversa?
Cardiac biomarkers: on the track of reverse remodeling?
Visitas
870
Fátima Franco
Unidade de Tratamento de Insuficiência Cardíaca Avançada – UTICA, Serviço de Cardiologia A, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Coimbra, Portugal
Conteúdo relacionado
Rev Port Cardiol 2017;36:709-1610.1016/j.repc.2017.02.015
Sandra Amorim, Manuel Campelo, Brenda Moura, Elisabete Martins, João Rodrigues, Isaac Barroso, Margarida Faria, Tiago Guimarães, Filipe Macedo, José Silva-Cardoso, Maria Júlia Maciel
Este item recebeu
870
Visitas

Under a Creative Commons license
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Texto Completo

A insuficiência cardíaca nos seus diferentes fenótipos é uma síndrome clínica com prevalência crescente e está associada a significativa morbilidade e mortalidade, bem como elevada taxa de readmissões hospitalares com enorme sobrecarga económica e assistencial do sistema nacional de saúde1. A incidência desta síndrome está fortemente correlacionada com a idade, estimando‐se que seja de cerca de 1% aos 65 anos, aumentando para cerca de 20% a partir dos 80 anos. É expectável que a sua incidência e prevalência continue a aumentar devido ao envelhecimento da população, à diminuição da mortalidade na fase aguda da doença coronária, ao aumento da prevalência de fatores predisponentes (diabetes mellitus, HTA, obesidade) e à disponibilidade de fármacos eficazes no prolongamento da vida dos doentes crónicos2.

Nos últimos 30 anos assistimos a uma enorme evolução na terapêutica da insuficiência cardíaca com fração de ejeção reduzida. A terapêutica médica dirigida ao bloqueio neuro‐hormonal, os dispositivos médicos (nomeadamente CRT e CDI) e a assistência ventricular reescreveram a história natural desta síndrome e num número significativo de doentes (sobretudo numa fase inicial da doença) podemos assistir à reversão, pelo menos parcial, da remodelagem ventricular.

O conceito do coração como órgão endócrino surgiu com a descoberta do peptídeo natriurético auricular (ANP) por Bold et al., em 19813. A esta primeira descoberta seguiu‐se a descoberta do peptídeo natriurético de tipo B e, posteriormente, outras moléculas foram sendo identificadas como potenciais marcadores na insuficiência cardíaca. Atualmente, os biomarcadores têm um papel bem estabelecido no diagnóstico, estratificação e avaliação prognóstica na insuficiência cardíaca4,5. Têm tido também um papel importante na clarificação da fisiopatologia e biologia desta síndrome6. Já na monitorização da progressão da doença e resposta à terapêutica, a evidência é mais escassa, não sendo ainda uma intervenção bem estabelecida. Desde que os biomarcadores começaram a ser utilizados na insuficiência cardíaca que a ideia da terapêutica individualizada e guiada pelos peptídeos natriuréticos tem sido um objetivo, mas a investigação até ao momento ainda não permitiu validar este conceito7.

Atualmente, e duma forma muito generalista, podemos classificar os biomarcadores em diferentes categorias8: 1) stresse e/ou lesão miocárdica; 2) ativação neuro‐hormonal; 3) remodelagem cardíaca; 4) comorbilidades, o que nos permite monitorizar diferentes etapas da doença. Além dos peptídeos natriuréticos e troponinas (biomarcadores que avaliam stresse e/ou lesão miocárdica) já bem conhecidos na prática clínica, mais recentemente, têm sido desenvolvidos outros biomarcadores direcionados para diferentes processos fisiopatológicos na insuficiência cardíaca, que refletem a remodelagem do miocárdio e matriz extracelular. São exemplo o biomarcador sST2 e a galectina‐3, pois ambos traduzem o grau de hipertrofia e fibrose na remodelagem ventricular e têm vindo a ser testados em estudos que avaliam a resposta à terapêutica na insuficiência cardíaca e potencial remodelagem reversa9. Estratégias que permitam combinar diferentes biomarcadores, que reflitam diferentes processos fisiopatológicos, poderão ter uma acuidade preditiva significativa em termos de diagnóstico, prognóstico e monitorização da doença, perspetivando no futuro a possibilidade da terapêutica‐guiada, ou seja, terapêutica dirigida e de alta precisão também na insuficiência cardíaca.

Remodelagem ventricular é o termo comummente utilizado para descrever as alterações funcionais e estruturais (a nível miocelular e intersticial) que ocorrem na sequência da lesão miocárdica e/ou em situações de sobrecarga de volume/pressão. A progressão da remodelagem ventricular ao longo do tempo acontece como resposta à ativação neuro‐hormonal, aumento da sobrecarga de volume e pressão e inflamação, estando associada a um aumento da morbilidade e mortalidade10.

Na remodelagem reversa ocorre um processo no qual o miocárdio ventricular lesado com um fenótipo dilatado e disfuncional recupera, pelo menos parcialmente, função e normaliza a sua estrutura. A remodelagem reversa pode ocorrer em resposta a intervenções terapêuticas que corrijam ou minimizem a causa de lesão miocárdica, ou intervenções que reduzam ou eliminem o desarranjo neuro‐hormonal e/ou hemodinâmico que contribuem para a progressão da remodelagem ventricular. Vários estudos têm demonstrado remodelagem reversa do ventrículo esquerdo em resposta a terapêutica farmacológica, ressincronização e assistência ventricular11.

No PARADIGM‐HF observou‐se que a redução da concentração do biomarcador sST2 da baseline em relação ao follow‐up tinha valor prognóstico. No subgrupo de doentes tratados com sacubitril‐valsartan, a concentração de sST2 foi cerca de 10% inferior ao subgrupo de doentes tratados com enalapril12. Apesar de se tratar duma redução modesta, tal esteve associado a resultados clinicamente significativos nos doentes tratados com sacubitril. De notar que o biomarcador sST2 tem‐se mostrado particularmente útil na avaliação prognóstica da insuficiência cardíaca com ambos fenótipos FE reduzida e preservada13.

O estudo PROVE‐HF, atualmente a decorrer, pretende determinar alterações na concentração de múltiplos biomarcadores relacionadas com mecanismos de ação e efeitos da terapêutica com sacubitril/valsartan ao longo de 12 meses e a correlação destas alterações, na concentração de biomarcadores com parâmetros de remodelagem cardíaca e morbimortalidade cardiovascular (Clinicaltrials.gov Identifier: NCT02887183). O estudo PROVE‐HF, cujos resultados serão conhecidos em 2019, trará muito provavelmente alguma clarificação sobre o papel dos biomarcadores (e que biomarcadores) na monitorização da resposta terapêutica e da remodelagem ventricular.

O presente estudo reportado por Amorim et al.14 visa compreender o papel dos biomarcadores na monitorização da remodelagem reversa em doentes com insuficiência cardíaca e fração de ejeção reduzida.

Apesar de incluir um grupo restrito de doentes com miocardiopatia dilatada idiopática, o estudo reportado por Sandra Amorim vai ao encontro dos dados descritos na literatura, que referem que a remodelagem reversa ocorre em cerca de um terço dos doentes que desenvolve insuficiência cardíaca com fração de ejeção reduzida.

Também é conhecido o perfil clínico dos doentes que apresentam remodelagem reversa miocárdica. Este inclui indivíduos mais jovens, habitualmente com função renal preservada e com remodelagem ventricular mais favorável, ou seja, doença estrutural menos avançada (volumes diastólicos do VE mais baixos). A possibilidade de identificar os potenciais respondedores à terapêutica médica tem óbvias vantagens, sendo a mais imediata evitar implantar dispositivos (nomeadamente CDI) a doentes que não viriam a precisar dele.

Considerando que os biomarcadores cardíacos já mostraram o seu valor no diagnóstico e estratificação da insuficiência cardíaca com FE reduzida, seria interessante perceber se poderiam ser mais um elemento a assessorar a identificação de doentes que vão apresentar remodelagem reversa ou não. No presente estudo, constituído por uma amostra exploratória, avaliam‐se múltiplos biomarcadores, com vista a estabelecer uma correlação entre estas moléculas e parâmetros clínicos e ecocardiográficos na remodelagem reversa. A execução de comparações múltiplas aumenta o risco de falsos positivos e torna mais difícil retirar conclusões e, de facto, não houve correlação entre biomarcadores e remodelagem reversa do ventrículo esquerdo. É‐nos transmitido pelos autores que existe um estudo em curso com novos biomarcadores, o que poderá ajudar a esclarecer esta questão. O estudo PROVE‐HF será certamente uma contribuição clara na definição do papel dos biomarcadores na identificação da remodelagem cardíaca.

Conflito de interesses

O autor declara não haver conflito de interesses.

Bibliografia
[1]
A.P. Ambrosy, G.C. Fonarow, J. Butler
The global health and economic burden of heart failure: lessons learned from hospitalized heart failure registries
J Am Coll Cardiol., 63 (2014), pp. 1123-1133 http://dx.doi.org/10.1016/j.jacc.2013.11.053
[2]
C. Fonseca, D. Brito, R. Cernadas
Pela melhoria do tratamento da insuficiência cardíaca em Portugal – documento de consenso
Rev Port Cardiol., 36 (2017), pp. 1-8 http://dx.doi.org/10.1016/j.repc.2016.10.006
[3]
A.J. Bold, H.B. Borenstein, A.T. Veress
A rapid and potent natriuretic response to intravenous injection of atrial myocardial extract in rats
Life Sci., 28 (1981), pp. 89-94
[4]
G.W. Moe, J. Howlett, J.L. Januzzi
N‐terminal pro‐B‐type natriuretic peptide testing improves the management of patients with suspected acute heart failure: primary results of the Canadian prospective randomized multicenter IMPROVE‐CHF study
Circulation., 115 (2007), pp. 3103-3110 http://dx.doi.org/10.1161/CIRCULATIONAHA.106.666255
[5]
P. Bettencourt, A. Azevedo, J. Pimenta
N‐terminal‐pro‐brain natriuretic peptide predicts outcome after hospital discharge in heart failure patients
[6]
S. Sanada, D. Hakuno, L.J. Higgins
IL‐33 and ST2 comprise a critical biomechanically induced and cardioprotective signaling system
J Clin Invest., 117 (2007), pp. 1538-1549 http://dx.doi.org/10.1172/JCI30634
[7]
A.E. Pruett, A.K. Lee, J.H. Patterson
Evolution of biomaker guided therapy for heart failure: current concepts and trial evidence
Curr Cardiol Rev., 11 (2015), pp. 80-89
[8]
H.K. Gaggin, J.L. Januzzi
Cardiac Biomarkers and Heart Failure
[9]
M.R. Zile, P.S. Jhund, C.F. Baicu
Plasma Biomarkers Reflecting Profibrotic Processes in Heart Failure With a Preserved Ejection Fraction: Data From the Prospective Comparison of ARNI With ARB on Management of Heart Failure With Preserved Ejection Fraction Study
Circ Heart Fail., 9 (2016), pp. e002551 http://dx.doi.org/10.1161/CIRCHEARTFAILURE.115.002551
[10]
T. Saraon, S.D. Katz
Reverse Remodeling in Systolic Heart Failure
Cardiol Rev., 23 (2015), pp. 173-181 http://dx.doi.org/10.1097/CRD.0000000000000068
[11]
J.E. Wilcox, G.C. Fonarow, C.W. Yancy
Factors associated with improvement in ejection fraction in clinical practice among patients with heart failure: findings from IMPROVE‐HF
Am Heart J., 163 (2012), pp. 49-56 http://dx.doi.org/10.1016/j.ahj.2011.10.001
[12]
E. O’Meara, Prescott MF, J.L. Rouleau
Association between sST2 levels and cardiovascular outcomes and effect of sacubitril/valsartan on sST2 levels: Results from the PARADIGM‐HF trial
J Card HF., 22 (2016), pp. S29-S30
[13]
M.M. Ciccone, F. Cortese, M. Gesualdo
A novel cardiac bio‐marker: ST2: a review
Molecules., 18 (2013), pp. 15314-15328 http://dx.doi.org/10.3390/molecules181215314
[14]
S. Amorim, M. Campelo, B. Moura
Role of biomarkers in dilated cardiomyopathy: assessment of clinical severity and reverse remodeling
Rev Port Cardiol., 36 (2017), pp. 709-716
Copyright © 2017. Sociedade Portuguesa de Cardiologia
Idiomas
Revista Portuguesa de Cardiologia

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.
en pt

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos